"Sou como a haste fina que qualquer brisa verga, mas nenhuma espada corta."

Antes de julgar a minha vida ou o meu caráter, calce os meus sapatos e percorra o caminho que eu percorri, viva as minhas tristezas, as minhas dúvidas e as minhas alegrias. Percorra os anos que eu percorri, tropece onde eu tropecei e levante-se assim como eu fiz. E então, só aí poderás julgar. Cada um tem a sua própria história. Não compare a sua vida com a dos outros. Você não sabe como foi o caminho que eles tiveram que trilhar na vida.”

"Não julgue os outros só porque os pecados deles são diferentes dos seus."


Oração Diária _( Clique)

domingo, 24 de julho de 2016

Odeio -te porque quando penso curada voltas a perfurar minha ferida, chaga sempre aberta que deixaste em mim.

"Eu te odeio. Odeio por não conseguir despedir-me do que não deveria pertencer-me mais, e que leva teu nome. As lembranças tuas são de doce insuportável misturadas neste amargo presente. O contraste embrulha o estômago, oprime o peito, dá-me gosto ruim. Odeio-te por cair em todos os buracos que o meu amor próprio permitiu. Eu te odeio por querer-te demais, e há frustrações demais por detrás disto. Querer-te demais é a doença e a punição que sofro enquanto desejo. Odeio-te por caminhar para o abismo. Odeio-te por sua ausência cobrar-me qualquer obrigação. Eu te odeio porque espero que lembres de mim no mesmo grau e intensidade; que sinta o mesmo veneno filho das tristezas. [...]  Odeio-te por não saber o que fazer contigo. Odeio-te por não saber o que fazer com o tempo que sobrou. Odeio-te por perder o norte, o rumo, o lume. Eu te odeio porque não sei mais de mim como sabia. Odeio-te por enterrar certezas, esmiuçar cansaços e calar-me para que só ele fale. Dói-me o orgulho. Doem-me as fraquezas. Odeio-te por não haver palavra que alivie, prazer que alivie, fuga em que eu escape, e então, levo-te comigo a me castigar. Odeio-te por não haver nada bom o suficiente, ainda que seja nítido que tudo possa ser melhor que ti. Odeio-te pelos sintomas todos. Por estes pequenos grandes inúmeros tormentos. Por frágeis e inconstantes previsões. Odeio-te por não ter combinado nada para ser feliz amanhã. Odeio-te porque sangro para sempre. Odeio-te porque fui marcado pelo amor que trouxeste. Odeio-te por não servir para outra coisa senão o amor. Eu te odeio por isto, justamente porque te amo."


Guilherme Antunes

terça-feira, 19 de julho de 2016



E por favor, perdoe as minhas mágoas; porque eu tive que aprender a perdoar as tuas culpas.



segunda-feira, 18 de julho de 2016



"Quando erramos e ferimos sem intenção aqueles que amamos, frequentemente alimentamos fantasmas e elaboramos mil discursos e histórias na tentativa de reparar nosso erro. No entanto por medo da ferida, dos resultados do encontro e da responsabilização acabamos nos afastando sem manifestar a intenção.
E o tempo passa e as distâncias se consolidam e as relações se perdem mergulhadas no silêncio dos erros que deixamos para trás por medo de enfrentar.
Soubéssemos nós que, quando o amor é verdadeiro, a reparação mais profunda nasce de palavras simples como 'me desculpa por te ferir'."


Andréa Beheregaray



domingo, 17 de julho de 2016




"Tenho para mim que o amor é o que há de mais importante no mundo. Analisar o mundo, explicá-lo, menosprezá-lo, talvez caiba aos grandes pensadores. Mas a mim me interessa exclusivamente que eu seja capaz de amar o mundo, de não sentir desprezo por ele, de não odiar nem a ele nem a mim mesmo, de contemplar a ele, a mim, a todas as criaturas com amor, admiração e reverência."


Hermann Hesse


"Percebo que após tantas perdas, havia me tornado pouco exigente com algumas coisas. E a vida, sábia, não querendo que a minha fé diminuísse, me deu coisas tão maiores e melhores do que eu esperava."




Marla de Queiroz 

quinta-feira, 7 de julho de 2016

segunda-feira, 4 de julho de 2016


Tô de férias, tchau frio, umidade, chuva, tchau Blumenau!





"Quando eu era pequena, não entendia o choro solto de minha mãe ao assistir a um filme, ouvir uma música ou ler um livro.
O que eu não sabia é que minha mãe não chorava pelas coisas visíveis. Ela chorava pela eternidade que vivia dentro dela e que eu, na minha meninice, era incapaz de compreender.
O tempo passou e hoje me emociono diante das mesmas coisas, tocada por pequenos milagres do cotidiano.
É que a memória é contrária ao tempo. Nós temos pressa, mas é preciso aprender que a memória obedece ao próprio compasso e traz de volta o que realmente importou, eternizando momentos.
Crianças têm o tempo a seu favor e a memória muito recente. Para elas, um filme é só uma animação; uma música, só uma melodia. Ignoram o quanto a infância é impregnada de eternidade.
Diante do tempo envelhecemos, nossos filhos crescem, muita gente se despede. Porém, para a memória ainda somos jovens, atletas, amantes insaciáveis. Nossos filhos são nossas crianças, os amigos estão perto, nossos pais ainda são nossos heróis.
A frase do título é de Adélia Prado: “O que a memória ama, fica eterno”. Quanto mais vivemos, mais eternidades criamos dentro da gente.
Quando nos damos conta, nossos baús secretos_  porque a memória é dada a segredos _ estão recheados daquilo que amamos, do que deixou saudade, do que doeu além da conta, do que permaneceu além do tempo.

Um dia você liga o rádio do carro e toca uma música qualquer, ninguém nota, mas aquela música já fez parte de você _  foi a trilha sonora de um amor, embalou os sonhos de uma época ou selou uma amizade verdadeira  _ e mesmo que os anos tenham se passado, alguma parte de você se perde no tempo e lembra alguém, um momento ou uma história.
Ao reencontrar amigos da juventude nos esquecemos que somos adultos e voltamos a nos comportar como meninos cheios de inocência, amor e coragem.
Do mesmo modo, perto de nossos pais seremos sempre “as crianças”, não importa se já temos 30, 40 ou 50 anos. Para eles a lembrança da casa cheia, das brigas entre irmãos, das histórias contadas ao cair da noite… serão sempre recentes, pois têm vocação de eternidade.
Por isso é tão difícil despedir-se de um amor ou alguém especial que por algum motivo deixou de fazer parte de nossas vidas.
Dizem que o tempo cura tudo, mas talvez ele só tire a dor do centro das atenções. Ele acalma os sentidos, apara as arestas, coloca um band-aid na ferida. Mas aquilo que amamos tem disposição para emergir das profundezas, romper os cadeados e assombrar de vez em quando.
Somos a soma de nossos afetos, e aquilo que nos tocou pode ser facilmente reativado por novos gatilhos _ uma canção cala nossos sentidos; um cheiro nos paralisa lembrando alguém; um sabor nos remete à infância."


Fabíola Simões

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Até que enfim as férias merecidas, dia 05 vou voar direto para o sol e o calor!



"E decidiu: vou viajar.Porque não morri, [...] porque  eu quero ver, rever, transver, milver tudo que não vi e ainda mais do que já vi, como um danado, quero ver feito Pessoa... [...] decidiu ousado: vou viajar."


Caio Fernando Abreu


"Acho que posso dizer que é amor, sim. Mesmo que a gente tenha se perdido para que eu pudesse encontrar a mim mesma. Mesmo que a gente tenha se perdido para que você pudesse buscar a si mesmo. É amor porque eu te guardo na lembrança bonita do meu crescimento, da descoberta do que era a codependência ou da fusão que subtrai. É amor, porque cantamos juntos, dançamos juntos, choramos juntos, fizemos amor intensamente, trocamos profundamente as angústias da alma, torcemos um pelo outro, nos ajudamos, viajamos juntos, gargalhamos desarvoradamente, dormimos juntos no melhor abraço um do outro, descobrimos novas músicas, sinônimos, livros, enlouquecemos lindamente, brigamos muito, fizemos as pazes várias vezes e fomos embora um do outro quando nada mais era poesia. Não foi triste, mas doeu profundamente.Uma dor resignada porque eu podia ver com clareza que já não nos acrescentávamos nada. E aprendi a trabalhar o desapego e o perdão. [...] E o amor só pode ser isto: querer que o Outro encontre a felicidade a qualquer custo, mesmo que isso exclua você da plenitude dele. Mesmo que isto exclua o Outro da sua plenitude.

Marla de Queiroz


quarta-feira, 29 de junho de 2016



"mesmo depois de gestada
a dor não irá sair por
parto natural e nem 
a indelicadeza cesárea 
a trará à claridão de fora

uma dor bem saudável
se embrulhará e se fará 
acolhida no centro do ventre 
e se passará por frágil a se 
maternar visceralmente

prematura
envelhecerá
sem ter nascido"



Cáh Morandi


"Sou o que você me fez. Vivi a vida que você pregava, mas nunca ousou praticar. Sou tudo que você tinha muito medo de ser."


 Oscar Wilde





"As memórias são os cabelos brancos do coração."



George Villiers






domingo, 26 de junho de 2016

Aos poucos voltando a minha antiga paixão.




"Você não fotografa com a sua câmera.
Você fotografa com toda a sua cultura"

Sebastião Salgado




quinta-feira, 23 de junho de 2016




" Minha estrada é outra e meus passos são novos. Se eu não mudar, nunca vou poder dizer que meu processo é de evolução e cura. Me comprometi com o respeito, a delicadeza, a paz. E é isso que vai deitar comigo diariamente quando eu estiver pronta pra dormir o sono dos pretensos justos.
Paciência e compreensão resolvem muita coisa, pelo menos dentro de nós."



Marla de Queiroz


quarta-feira, 22 de junho de 2016




Então, sem mais, quero te dizer adeus-até nunca mais-seja feliz. Porque por mais que você tenha me dado algo, você me tirou muito mais.

terça-feira, 21 de junho de 2016


"Tudo que é seu encontrará alguma forma de chegar até você."


Chico Xavier

domingo, 12 de junho de 2016

"Um mero rascunho, mas foi divindade."


"Foi só um ensaio
Foi só um insight
Durou muito pouco
Doeu muito mais"