"Sou como a haste fina que qualquer brisa verga, mas nenhuma espada corta."


Antes de julgar a minha vida ou o meu caráter, calce os meus sapatos e percorra o caminho que eu percorri, viva as minhas tristezas, as minhas dúvidas e as minhas alegrias. Percorra os anos que eu percorri, tropece onde eu tropecei e levante-se assim como eu fiz. E então, só aí poderás julgar. Cada um tem a sua própria história. Não compare a sua vida com a dos outros. Você não sabe como foi o caminho que eles tiveram que trilhar na vida.”


Eu disse que mudei. Nunca disse que tinha sido para melhor.


"Não julgue os outros só porque os pecados deles são diferentes dos seus."



quarta-feira, 20 de agosto de 2014


E que o mais importante seja o amor: ele mesmo, em estado bruto até a sofisticação da evolução de ambos. Aquele que está além da dimensão homem-mulher, mas que abrange primeiramente o amor próprio, o amor à vida, o amor ao que nos fortalece, reforça nossa esperança, que nos amadurece e deixa gratos. O amor por mais um dia, por mais uma vitória, pela aceitação que supera o que antes era só uma maneira de admitir, mas que não nos conduzia à plenitude do que realmente a existência reservou para nós. Amor que não depende, agrega. Que não subtrai, soma. Amor que não “embarulha”, mas soa feito melodia doce. Amor que respeita a individualidade antes e apesar de qualquer coisa. Amor que nos faz enxergar o Outro como ele é sem as distorções e anestesias da carência ou quaisquer coisas que alterem nossa percepção de mundo. Sentimento que descobrimos sem medo, à flor da pele, cientes de que temos todas as ferramentas para superar conflitos, frustrações e que podemos evoluir também no que é desconfortável. Amor construído para ser saudável: sem pressa, ansiedade ou impulso. Tranquilamente o nosso coração abraça o Outro com toda a sua bagagem de potencialidades desenvolvidas e limitações. E o parceiro acha morada ali, naquele abrigo de paz. Não o único abrigo de paz, apenas mais um deles. Porque nossa vida é composta por muitas outras pessoas, paisagens, sensações que não podem ser excludentes quando decidimos nos unir. Amor de querer bem. Amor de se cuidar. Amor que sabe a hora também de deixar ir...
Tem que ser simples para ser bom. 
Que assim seja. Que seja SIM.



Marla de Queiroz


terça-feira, 19 de agosto de 2014

Vivendo, sofrendo, aprendendo e amadurecendo!



"Fico besta com quem perde a compostura por não gostar de algo ou alguém: tão mais simples desconectar. Não ouça, não leia, não prestigie. Dê atenção ao que tem sintonia com você. E toque sua vida, sem agredir."


Martha Medeiros





domingo, 17 de agosto de 2014


"As cortinas azuis do amor, hoje, nem mais balançam. Se fecham e pedem, imploram, para serem abertas pelo vento que hoje namora o sol. Dizemos amar a chuva, mas quando chove, tempestivas ou não, abrimos o guarda-chuva ou nos acolhemos em cobertas sem fim. Dizemos amar o sol, mas quando ele se mostra, procuramos a sombra, o canto, o vento, o alívio. Dizemos amar o vento e suas solturas, mas, quando ele nos assovia, fugimos, fechamos as janelas e os ouvidos. Logo, tenho medo quando as pessoas dizem que sabem amar.
Será que amaremos? Será que seremos amados? Esperaremos um sorriso espraiado que combine com o nosso, ou criaremos sorrisos novos que se encaixem com os que já existem? A verdade é que o sorriso do palhaço nem sempre diz que ele tem a alma feliz, mas, que a busca na felicidade dos outros. Felicidade essa proporcionada por segundos de descuido e distrações, que involuntariamente, cooperam com a nossa ânsia de amar.
O amor-perfeito cai na alma-casa de quem se lembra de abrir a janela e deixar o sussurro do sol entrar após a chuva. E, quando o sol pedir o seu tempo, que consigamos respeitar e contemplar a chuva que também quer um pouco da nossa atenção. Não nos preparemos para a chuva, pois, assim perdermos as frestas de sol, nem ansiemos o passar da chuva, pois assim perderemos o perfume de terra molhada.
As esperanças fazem misérias com a nossa vontade de amar, então, que deixemos a vida levar, pois sabemos que tudo sempre passa, difícil é saber o que sobra."

Frederico Elboni


Ela só precisa de alguém que ela não precisasse, novo em folha, que nunca tenha sentido o peso que ela nem sempre consegue disfarçar. Uns carinhos que não acabem em dor. Alguém que arranque sorrisos e não lágrimas. Precisa de alguém que entre na vida dela e que fique. Não por pressão, obrigação, cobranças ou sufocação. Que fique só porque o sorriso dela dá paz e é disso que todo mundo precisa.


sábado, 16 de agosto de 2014

quinta-feira, 14 de agosto de 2014



"O que a memória ama fica eterno. "


As linhas estão no mesmo lugar mas já não se unem a agulha pra fazer o que ela mais amava. Não tem mais vestidos, não tem mais o barulho da máquina , restou apenas a saudade, a falta que nada, ninguém pode preencher.

Saudades eternas Tia Nilza

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

Curtindo Biquíni Cavadão e cuidando dos meus gatinhos que fizeram cirurgia hoje!





"Há quem julgue os nossos passos, critique as nossas ações, menospreze os nossos feitos e deboche das nossas conquistas. Há quem não compreenda os nossos ideais, não comungue com os nossos valores mais preciosos, não valorize os nossos esforços nem veja mérito algum na nossa luta. Há o egoísta. O maledicente. O sabotador. O falso amigo. Há quem não concorde com a nossa causa. Há quem não nos incentive no nosso propósito. Há quem não leve a sério os nossos sonhos. Há quem simplesmente não queira o nosso bem.

Ao longo do caminho, pode ser que você se depare com alguém assim. Alguém que não veio para somar na sua vida, mas que, por incrível que pareça, pode te ensinar (e muito!) sobre força, coragem, fé e confiança em si mesmo. Alguém que obviamente você não terá como amigo, mas que te fará sempre se lembrar da importância da amizade e da benção que é poder ter ao nosso lado pessoas que nos incentivam e nos encorajam a seguir em frente, mesmo que a jornada seja repleta de percalços e desafios (muitos deles!), que às vezes nos parecem impossíveis ou difíceis demais de serem vencidos.

Se a graça da vida está na trajetória, cabe somente a nós escolhermos em quem e em quê vamos prestar atenção. Onde, afinal, colocaremos o nosso foco? Naquele que nos diminui, que nos empaca, que nos menospreza, que debocha das nossas conquistas e dos nossos sonhos? Ou naquele que, por outro lado, nos incentiva a sermos o melhor que podemos ser, nos enxerga melhor do que realmente somos e, mesmo que nos faça colocar os pés no chão de vez em quando, nos encoraja a enfrentar os desafios da vida e a lutar por aquilo em que acreditamos?

A escolha é nossa, porque o poder de escolha ninguém pode nos tirar. Ninguém.

Se quer um conselho, no entanto, concentre-se no caminho, não no destino. Tenha a coragem de entrar em ação e lutar pelos seus sonhos, não importa o que digam ou pensem sobre você. E, principalmente, foque no que te faz sorrir, no que te faz melhor, no que te faz crescer e evoluir espiritualmente, mesmo que a trajetória seja longa, labiríntica, arriscada e repleta de desafios. 

Queira o risco. Queira o desafio. Queira viver uma vida intensa e apaixonada. Desdobre-se para ser o melhor que pode ser, revire-se do avesso, mostre que o impossível é questão de ponto de vista e, mesmo com medo, mesmo com receio, siga em frente. 

Não dê tanta importância assim para a opinião dos outros. Ah... Há quem só consiga sentir poder alimentando-se das nossas fraquezas, dos nossos medos, dos nossos pequenos deslizes. Há quem sinta prazer quando o outro erra. 

Mas eu te pergunto: é para essas pessoas que você quer viver? É por elas que você faz as suas escolhas? É por medo do que elas vão pensar ou falar a seu respeito que você continua na zona de conforto?

Veja bem, você pode fracassar, sim. Você pode errar, sim. Pode ser que você se machuque, que sinta dor, que chegue ao fundo do poço e tenha que acreditar em pequenos milagres para recomeçar. Mas é a luta que fará de você o herói da sua própria história. 

Porque só vive de verdade quem arrisca. Porque só vive de verdade quem dá a cara à tapa, arregaça as mangas, deixa cicatrizar as feridas. E vai. "

Ana Paula Ramos

quinta-feira, 31 de julho de 2014




"Tudo o que vive é pulsação do sagrado. As aves do céu, os lírios dos campos... Até o mais insignificante grilo, no seu cricri rítmico, é uma música do Grande Mistério. É preciso esquecer os nomes de Deus que as religiões inventaram para encontrá-lo sem nome no assombro da vida."


Rubem Alves




"Se nos lembrássemos todos os dias que podemos perder alguém subitamente, nós amaríamos mais intensamente e livremente, e seriamos mais tolerantes e compreensivos. Ninguém pode afirmar que não há nada a perder porque tudo pode ser sempre perdido. "


Madre Teresa de Calcutá




quinta-feira, 24 de julho de 2014

Da tortura emocional gratuita.




"O perigo da perversidade é que ela é muito sutil. Um ser perverso jamais te atacará diretamente. Ele vai saborear cada silêncio calculado para despertar sua agonia. Ele vai tentar tolher seus lugares íntimos até que não reste qualquer espaço para manobras. Ele vai te seduzir da maneira mais irresistível e depois te tratar com um descaso inexplicável, como se algo de errado tivesse acontecido, mas sem te dar quaisquer indícios do que possa ter acontecido. Ele será carismático com os outros, prestativo, mas demonstrará impaciência em responder à sua mais simples pergunta. Ele vai oscilar entre o tesão e a indiferença. Você se sentirá desejada quando o sufoco tiver tomado toda a sua alma e, totalmente desamparada quando o desejo demonstrado parecer esvaído nos primeiros suspiros da manhã. E o dia seguinte se tornará um longo e agonizante ano. Ele parecerá espirituoso, depois irônico, mas estará sendo absurdamente crítico e sarcástico. E te deixará tão confusa que você, por momentos, não saberá identificar a crueldade que há neste tipo de comportamento. Os perversos são viciados em jogos de poder e controle. Não sabem o porquê. Simplesmente precisam tentar te destituir da sua autoconfiança e autoestima até que você se torne refém, dependente, à beira do desespero.

É muito difícil identificar um ser perverso e, depois se livrar dele. Ele te tratará com uma bipolaridade emocional absoluta. E quando tudo parecer perdido, quando você tiver decidido de maneira explícita sua escolha por um afastamento ou desligamento da relação, ele te rondará da maneira mais amorosa possível tentando te convencer que a falta de sintonia anterior era um problema seu. 
O perigo da perversidade é porque ela é muito sutil. E o único antídoto para se curar de uma relação doentia como esta é reunir toda a coragem que você jamais imaginou ter e partir com toda a convicção de que você não precisa continuar neste campo minado. Você pode escolher um lugar de paz. Você pode não ser presa de um predador voraz. Você não precisa se vestir de sangue para alimentar estes vampiros.
Esteja atenta. O perverso sempre parecerá um ser inofensivo e carismático. Com os outros. Apenas com os outros. E isto te deixará com uma imensa vontade de conquistar aquilo que ele fará questão de demonstrar que não está disponível para você."


Marla de Queiroz


quarta-feira, 23 de julho de 2014




" [...] enxugo uma lágrima quase inteira, uma dor e meia deita na cama mas, não irradia. [...] Sobrevivo de propósito."


Priscila Rôde




"A morte é onde mora a saudade." (Rubem Alves)


Posso viajar, dormir, acordar, comer, assistir tv, dormir de novo, acordar e chorar, chorar muito mas nada alivia a dor dessas perdas. Eu sei que essa dor nunca vai passar. Não tem um dia que eu não pense em vocês. 






terça-feira, 22 de julho de 2014

domingo, 13 de julho de 2014


Eu achava que tão cedo não passaria por tudo isso novamente  (menos de quatro meses e três perdas irreparáveis), estava animada com a viagem de férias, tudo estava serenando então acontece uma tragédia dessas. Do nada, sem mais, sem menos, meu tio querido, o neném e da minha vó, o meu tio mais alegre, divertido, companheiro, que estava toda semana visitando a gente, apesar de tudo pra ele tava sempre tudo bem, tudo ia dar certo, meu tio companheiro de bailes, meu companheiro na paixão por motos, companheiro da minha mãe, se vai....Como disse minha irmã ontem, "parece que todo mundo que ama a gente de verdade ta indo embora", eu ainda não consigo perguntar pra Deus o por quê... Só sinto que aquela ferida tão grande que estava começando a cicatrizar se abriu toda novamente e eu não sei mais o que fazer. Eu espero que a Vó e a Tia Nilza te recebam por ai meu tio querido e que tudo isso tenha um grande propósito na vida da minha família. Quero lembrar de você  assim, alegre, divertindo todo mundo, nós por aqui iremos cuidar da Lu e do Gustavo. Te amo Tio Narbal, obrigada por tudo.

sexta-feira, 11 de julho de 2014

terça-feira, 8 de julho de 2014

O que acontece no meio - MARTHA MEDEIROS


"No meio, a gente descobre que precisa guardar a senha não apenas do banco, mas a que nos revela a nós mesmos
Vida é o que existe entre o nascimento e a morte. O que acontece no meio é o que importa.
No meio, a gente descobre que sexo sem amor também vale a pena, mas é ginástica, não tem transcendência nenhuma. Que tudo o que faz você voltar pra casa de mãos abanando (sem uma emoção, um conhecimento, uma surpresa, uma paz, uma ideia) foi perda de tempo.
Que a primeira metade da vida é muito boa, mas da metade pro fim pode ser ainda melhor, se a gente aprendeu alguma coisa com os tropeços lá do início. Que o pensamento é uma aventura sem igual. Que é preciso abrir a nossa caixa preta de vez em quando, apesar do medo do que vamos encontrar lá dentro. Que maduro é aquele que mata no peito as vertigens e os espantos.
No meio, a gente descobre que sofremos mais com as coisas que imaginamos que estejam acontecendo do que com as que acontecem de fato. Que amar é lapidação, e não destruição. Que certos riscos compensam – o difícil é saber previamente quais. Que subir na vida é algo para se fazer sem pressa.
Que é preciso dar uma colher de chá para o acaso. Que tudo que é muito rápido pode ser bem frustrante. Que Veneza, Mykonos, Bali e Patagônia são lugares excitantes, mas que incrível mesmo é se sentir feliz dentro da própria casa. Que a vontade é quase sempre mais forte que a razão. Quase? Ora, é sempre mais forte.
No meio, a gente descobre que reconhecer um problema é o primeiro passo para resolvê-lo. Que é muito narcisista ficar se consumindo consigo próprio. Que todas as escolhas geram dúvida, todas. Que depois de lutar pelo direito de ser diferente, chega a bendita hora de se permitir a indiferença.
Que adultos se divertem muito mais do que os adolescentes. Que uma perda, qualquer perda, é um aperitivo da morte – mas não é a morte, que essa só acontece no fim, e ainda estamos falando do meio.
No meio, a gente descobre que precisa guardar a senha não apenas do banco e da caixa postal, mas a senha que nos revela a nós mesmos. Que passar pela vida à toa é um desperdício imperdoável. Que as mesmas coisas que nos exibem também nos escondem (escrever, por exemplo).
Que tocar na dor do outro exige delicadeza. Que ser feliz pode ser uma decisão, não apenas uma contingência. Que não é preciso se estressar tanto em busca do orgasmo, há outras coisas que também levam ao clímax: um poema, um gol, um show, um beijo.
No meio, a gente descobre que fazer a coisa certa é sempre um ato revolucionário. Que é mais produtivo agir do que reagir. Que a vida não oferece opção: ou você segue, ou você segue. Que a pior maneira de avaliar a si mesmo é se comparando com os demais. Que a verdadeira paz é aquela que nasce da verdade. E que harmonizar o que pensamos, sentimos e fazemos é um desafio que leva uma vida toda, esse meio todo."